Saiba por que a vitamina B12 é essencial e em quais alimentos a encontramos  

 

A vitamina B12 é uma das mais importantes para o bom funcionamento do nosso corpo. Você já deve saber que as vitaminas, de forma geral, são substâncias orgânicas essenciais ao nosso organismo. Elas ajudam a manter o nosso sistema imunológico preparado, regulam o nosso metabolismo e estimulam o crescimento.

Apesar de serem necessárias em pequenas quantidades, as vitaminas são cruciais para a nossa saúde. Quando há insuficiência de alguma delas, podemos ter problemas diversos. No caso de carência da vitamina B12, podemos desenvolver anemias e até lesões neurológicas.

 

O que é a vitamina B12?

A vitamina B12, ou cianocobalamina, é um tipo de substância que não é produzida naturalmente pelo nosso organismo. Entre as suas funções está a formação dos glóbulos vermelhos do sangue e dos neurônios.

Quando estamos com deficiência dessa vitamina, podemos sofrer com sensação de fraqueza, desânimo e cansaço, sintomas da anemia. Outras consequências do déficit de vitamina B12 são:

  • Problemas no sistema digestor;
  • Aftas;
  • Câimbras;
  • Depressão;
  • Falhas de memória;
  • Quadros mais graves como demência e dificuldades motoras.

 

Como você pôde perceber, a falta de vitamina B12 no corpo pode nos trazer uma série de problemas, principalmente ligados ao nosso sistema nervoso. Por isso, é essencial a adicionarmos em nossa dieta. Mas em quais alimentos podemos encontrá-la?

 

Quais alimentos devemos consumir?

Ao ingerirmos a vitamina B12, oferecemos ao nosso corpo uma série de benefícios como: preservação do DNA, produção de colesterol bom, proteção do sistema nervoso central, melhora do sono, aumento de disposição, entre outros!

Para que possamos desfrutar de todos esses benefícios que esse nutriente nos oferece, veja a lista a seguir. Todos estes alimentos possuem uma ótima concentração de vitamina B12:

  • Ovos;
  • Leite e seus derivados;
  • Peixes;
  • Carnes bovinas.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a quantidade diária de vitamina B12 que uma pessoa adulta deve consumir é de 2,4 microgramas (mcg). Um ovo cozido, por exemplo, contém 1mcg da vitamina.

 

É sempre bom lembrarmos que, em caso de sintomas persistentes, um médico deverá ser consultado. O nível de vitamina B12 em nosso organismo pode ser aferido por meio de exame de sangue. O teste laboratorial é essencial para que seja feito o acompanhamento do nível do nutriente em nosso corpo.

Sempre que você precisar realizar os seus exames, pode contar com os cuidados e a confiabilidade do Laboratório Júlio Vargas. Entre em contato conosco. Estamos sempre prontos para atender você!

 

Endometriose: conheça os sintomas e o tratamento da doença

A endometriose é uma condição mais comum do que se imagina. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa),  ela afeta cerca de 10% da população feminina, sendo mais recorrente em mulheres com idade entre 25 e 35 anos.

Mas o que é a endometriose?

Primeiramente, precisamos entender o que é endométrio. Esse é o tecido que fica na parte interna do útero. Já a endometriose é uma doença ginecológica determinada pelo desenvolvimento desse tecido e de glândulas endometriais fora da cavidade do útero, provocando uma inflamação crônica. Isso pode acontecer por diversos motivos, entre eles genéticos e epigenéticos.

Quais são os sintomas?

Os principais sinais são:

  • Cólicas intensas;
  • Dor durante a menstruação;
  • Dor durante as relações sexuais;
  • Dor na região pélvica;
  • Fadiga;
  • Sangramento menstrual intenso ou irregular;
  • Alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação;
  • Dificuldade para engravidar e infertilidade.

Como é feito o diagnóstico?

A endometriose ainda pode ser considerada uma condição de difícil diagnóstico durante o exame clínico, ou seja, na consulta de rotina com o ginecologista.

Por isso, após uma avaliação dos sintomas, o médico poderá solicitar exames de imagem, como ultrassom, ressonância, laparoscopia e laparotomia, e alguns testes laboratoriais específicos, por exemplo, o CA 125, um exame de sangue marcador de endometriose.

Existe tratamento?

A resposta é sim! Para combater as dores da endometriose, o médico poderá indicar cirurgia ou realizar o tratamento medicamentoso. Cabe ao especialista avaliar a melhor opção, de acordo com a gravidade e as condições da paciente. Os dois tipos de tratamento também podem ser feitos ao mesmo tempo.

Entretanto, não existe cura permanente para a endometriose. O tratamento tem apenas o intuito de aliviar os sintomas e contribuir para a redução das lesões endometrióticas.

Continue acompanhando as nossas notícias pelo site e pelas redes sociais. E, claro, faça os seus exames no Laboratório Júlio Vargas. Garantia de qualidade e confiabilidade nos resultados! Entre em contato conosco pelo número (32) 98814-6683 e agende a sua coleta.

Exame é no laboratório: segurança e precisão em todos os seus testes

Você sabia que são os exames laboratoriais que oferecem suporte em até 80% das decisões médicas? Os check-ups são essenciais na prevenção e no tratamento de doenças. Na área da saúde, que vive o avanço contínuo das ferramentas tecnológicas, os testes e as análises realizados estão cada vez mais efetivos.

Mas na hora de escolher onde realizá-los, é preciso ter atenção. Afinal, a assertividade e a precisão são grandes aliadas no cuidado com você e com toda a sua família. Por isso, compartilhamos este recado: exame é no laboratório!

Por que não fazer em farmácias?

Com a pandemia da Covid-19, muitas farmácias passaram a oferecer o teste que detecta (ou não) a presença do coronavírus no organismo. E esse não é o único exame realizado no comércio. O problema é que, pela ausência de estrutura laboratorial para a coleta, o resultado da análise pode sofrer alterações.

Além disso, para a proteção dos pacientes, testes de interpretação complexa precisam ser regulamentados. É nesse cenário que entra a importância do controle e da política de qualidade, de certificações em saúde e de uma equipe de profissionais especializada.

No Laboratório Júlio Vargas

Sempre pensando em você, garantimos a fidedignidade e a confidencialidade dos resultados dos exames laboratoriais, assim como um tratamento de alto padrão. Aqui, tudo isso é regulamentado pelo nosso Sistema de Gestão de Qualidade, em conformidade com todas as exigências governamentais.

Desde 2013, o laboratório é acreditado. Isso significa que atuamos com o nível máximo de certificação da qualidade em saúde. Como o único a contar com o selo do PALC – Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos, da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial, nossa missão é prestar um serviço de excelência.

Coleta domiciliar

Toda a qualidade do nosso trabalho em laboratório também pode chegar ao conforto da sua casa. Na pandemia, a coleta domiciliar foi a alternativa ideal para manter os exames em dia e garantir a prevenção contra a Covid-19. O atendimento é feito seguindo todos os protocolos de segurança.

Depois, os resultados ficam disponíveis diretamente em nosso site ou aplicativo. Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco! E não se esqueça: exame é no laboratório – ou na sua casa, com profissionais preparados para promover bem-estar para você e confiança em suas análises. 😉

Doenças da tireoide: quais são os exames recomendados?

A tireoide é uma glândula em formato de borboleta, localizada na parte inferior do nosso pescoço. Sua atuação tem influência direta em órgãos importantes, como o coração, o cérebro e o fígado. A produção de hormônios realizada por ela interfere no desenvolvimento infantil, nos ciclos menstruais, no peso e na memória. Além da concentração e do controle emocional.

Como resultado, o pleno funcionamento da tireoide é fundamental para que todo o nosso organismo esteja em equilíbrio. Quando a glândula sofre alterações, os hormônios podem ser liberados em excesso ou em quantidade insuficiente. No primeiro caso, há o hipertireoidismo. Já no segundo, o hipotireoidismo.

Entre as doenças relacionadas à tireoide, também estão bócio, nódulos e câncer. Para identificá-las existem exames disponíveis, que avaliam a glândula e identificam possíveis problemas. Vamos conhecê-los?

Exames de tireoide

  • Dosagem de hormônios: avalia-se, principalmente, a quantidade produzida de T4 livre e do TSH.
  • Dosagem de anticorpos: utilizada para o diagnóstico de doenças graves e da chamada tireoide de Hashimoto, um distúrbio autoimune que ataca as células e causa inflamação.
  • Biópsia: feita para casos em que há suspeita de câncer – a avaliação é feita com o nódulo tireoidiano.
  • Ultrassom: avalia o nódulo da tireoide, pode indicar doenças autoimunes e mostra suas principais características, como o tamanho.
  • Cintilografia: solicitada quando há dúvida sobre o diagnóstico de hipertireoidismo.

Quando realizá-los?

Para evitar doenças na tireoide, o cuidado preventivo é valioso. Por isso, é recomendado que as avaliações da glândula façam parte das consultas e dos exames médicos periódicos – dentro do famoso check-up anual. O diagnóstico é simples, e o tratamento pode salvar vidas. Em casos de hipertireoidismo ou hipotireoidismo, existem medicamentos para realização do controle.

Em quadros de câncer, é necessária cirurgia. Os nódulos, por sua vez, não costumam demandar procedimentos, sendo importante apenas acompanhar com uma frequência predefinida pelo médico responsável. Para saber mais sobre avaliações e cuidados com a saúde, acompanhe nossas redes sociais.

Na hora de agendar seus exames de rotina, conte com o Laboratório Júlio Vargas. Realizamos a marcação por telefone no número (32) 98814-6683 e fornecemos todas as orientações primordiais para as análises solicitadas, incluindo a de tireoide.

Descubra quais são os oito benefícios da amizade para a sua saúde

“Amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito…” já diz a canção de Milton Nascimento. As amizades são, de fato, algo muito valioso que temos que tratar com todo o carinho. Afinal, quem não gosta de contar com um bom amigo ou uma boa amiga nas horas de necessidade? E nos momentos de alegria, tudo fica melhor com as pessoas de quem gostamos ao nosso lado!

Além de fazer muito bem ao nosso coração, as amizades também contribuem muito para a nossa saúde! E isso é comprovado cientificamente. Veja neste texto quais são os incríveis benefícios que a amizade promove ao nosso bem-estar.

 

  • Diminui o risco de doenças

De acordo com estudos feitos pela Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, as amizades contribuem para nos mantermos mais protegidos contra doenças. Pessoas solitárias têm maior tendência a desenvolverem distúrbios psicológicos, tais como estresse e ansiedade, e até desenvolverem Alzheimer.

 

  • Aumenta a longevidade

Um estudo da Universidade de Harvard concluiu que os laços de amizade ajudam a manter a saúde cerebral ao longo dos anos. Por outro lado, estudiosos da Brigham Young University informaram que a falta de interações sociais pode ser tão prejudicial quanto alcoolismo, obesidade e tabagismo.

 

  • Fortalece o coração

Além de fazer bem ao nosso coração no sentido figurado, as amizades também têm impactos concretos no funcionamento desse músculo. A Universidade de Columbia divulgou que ter pessoas queridas próximas pode diminuir em até 22% o aparecimento de doenças cardíacas.

 

  • Proporciona uma vida mais otimista

Os amigos de verdade sempre estão dispostos a levantar o nosso astral, não é? E as Universidades de Harvard e da Califórnia comprovaram que as amizades saudáveis nos fazem ser mais otimistas.

 

  • Promove o bem-estar psicológico nas crianças

É quando somos bem pequenos que começamos a aprender o valor de uma boa amizade. Em um estudo realizado pela Universidade do Maine, os amiguinhos contribuem para o desenvolvimento psicológico das crianças.

 

  • Nos mantém em dia com as atividades físicas

Se você tem amigos ou amigas que praticam algum tipo de atividade física, a tendência é que você também passe a adotar essas práticas no seu dia a dia, segundo a Universidade de Bristol, no Reino Unido.

 

  • Ajuda na saúde dos casais

Toda relação amorosa começa como uma boa amizade, não é mesmo? Segundo um especialista da Universidade de Washington, a amizade ajuda a fazer com que a relação seja mais saudável e duradoura.

 

 

 

 

  • Auxilia a recuperação do câncer

Diversos estudos afirmaram que, para as pessoas portadoras de câncer, faz toda a diferença ter amigos e amigas por perto. A amizade pode, assim, ser considerada uma forma de contribuir para a luta contra a doença.

 

Você já sabe que o Laboratório Júlio Vargas está sempre presente para oferecer toda a amizade e atenção que você merece! Conte sempre conosco!

Saiba as diferenças entre as vacinas contra a Covid-19 no Brasil  

 

A vacinação contra o coronavírus no Brasil se iniciou em janeiro deste ano e ainda gera muitas dúvidas nas pessoas. Qual seria o melhor imunizante, o nível de eficácia e a segurança de cada vacina são alguns dos principais questionamentos.

Neste artigo, iremos tratar justamente sobre as características das vacinas regulamentadas atualmente no Brasil para combater o Sars-CoV-2.

 

Algumas dúvidas frequentes sobre as vacinas

A segurança das vacinas é, de fato, um tema que gera bastante interesse em todos. É importante lembrarmos que todos os imunizantes disponíveis no país passaram por testes clínicos observados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Acerca da eficácia, existe um nível mínimo exigido por esses órgãos reguladores, que é de 50%. Esse número pode, no entanto, variar de acordo com fatores tais como: idade, histórico de doenças crônicas dos infectados, entre outros.

Outra pergunta comum que as pessoas fazem é sobre a duração da imunidade que as vacinas proporcionam. Nesse caso, ainda não existem dados seguros o suficiente para sabermos sobre o período de proteção. No entanto a aplicação das vacinas está sendo acompanhada por estudos que poderão nos dizer a necessidade de haver ou não novas aplicações.

Vejamos, agora, quais são as vacinas aplicadas atualmente no Brasil e quais são as suas características.

 

CoronaVac

Essa vacina foi a primeira a ser aprovada no país e é resultado de uma parceria de transferência tecnológica com a China.

Produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, a CoronaVac é composta pelo vírus inativo cultivado.

Ao ser aplicado, o imunizante gera uma reação do nosso sistema imunológico, que ativa os linfócitos, produzindo os anticorpos protetores.

A eficácia geral do imunizante é de 50,38%. No entanto os dados iniciais informaram que a CoronaVac oferece 100% de proteção contra o adoecimento grave e previne em 78% os casos leves.

 

Oxford/AstraZeneca

O imunizante foi criado no Reino Unido, em uma parceria entre a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca.

Registrada em 12 de março no Brasil, a vacina é feita com a tecnologia do vetor viral não replicante pela Fiocruz. O adenovírus presente na vacina produz uma proteína do coronavírus, a espícula, que provoca a reação imunológica do nosso organismo.

De acordo com os estudos dos cientistas, esse imunizante possui uma eficácia média de 70%. Segundo a empresa fabricante, a vacina tem 79% de eficácia contra a manifestação aguda da Covid-19 e evita em 100% a necessidade de internações graves.

 

Pfizer/BioNTech

 

Essa vacina foi aprovada no Brasil em fevereiro e possui uma tecnologia diferenciada em relação às demais.

O imunizante utiliza a tecnologia do mRNA ou RNA-mensageiro. Diferentemente das outras duas vacinas, que cultivam o vírus em laboratório, este imunizante é produzido por uma replicação de RNA. Este imita a proteína spike, que auxilia o coronavírus a invadir as nossas células, e provoca a ação do sistema imunológico.

De acordo com a Pfizer, a vacina possui uma eficácia de 95%. Outros estudos afirmaram que o imunizante reduz em 97% os casos sintomáticos e em 86% as infecções assintomáticas.

 

Janssen

Aprovada para uso emergencial em março pela Anvisa, a vacina é produzida pela divisão farmacêutica da empresa Johnson & Johnson.

O imunizante funciona a partir da tecnologia do vetor viral. Ou seja, ele contém o vírus enfraquecido, que carrega os genes do coronavírus e ativa as respostas do nosso sistema imunológico. O método é semelhante ao da vacina AstraZeneca.

A principal diferença dessa vacina para as demais é a sua aplicação, em apenas uma dose. Os estudos da empresa comprovaram a maior eficácia do imunizante com a aplicação única. Não se sabe, ao certo, qual é a distinção no seu método de produção por ser um segredo industrial.

No Brasil, foi estimado que a vacina possui 68% de eficácia. De acordo com a OMS, a dose única oferece 66,9% de proteção contra infecções sintomáticas. Ela ainda apresenta 76,7% de eficácia contra a forma aguda e morte após 14 dias de aplicação e de 85,4% após 28 dias.

 

Essas são as características e diferenças das vacinas contra a Covid-19 no Brasil até o momento. É importante lembrarmos que todas as vacinas foram testadas antes de serem aprovadas. A imunização é a melhor forma de nos protegermos da Covid-19!

Não se esqueça de seguir os protocolos de segurança e de se vacinar quando a sua hora chegar. E, sempre que precisar, pode contar com o Laboratório Júlio Vargas!

Saiba quais são os exames de Covid-19 e quais são as suas diferenças    

 

Apesar de a vacinação contra a Covid-19 estar ocorrendo, ainda é necessário que fiquemos atentos aos cuidados que devemos tomar para não nos infectarmos.

 

Os sintomas do coronavírus podem se apresentar de diversas maneiras. Além disso, o organismo de cada pessoa reage de forma diferente.

 

Por isso, a melhor maneira de sabermos se estamos ou não contaminados com a doença é realizando os testes de Covid-19.

 

Quem deve fazer o teste e quando ele é indicado?

 

Os testes são indicados para as pessoas que estão com suspeita de terem contraído o vírus ou que apresentem algum dos sintomas – como febre, cansaço, tosse seca ou outros.

 

Ele também é indicado para pessoas que tiveram contato com algum paciente infectado.

 

Os tipos de testes

 

RT-PCR: é um exame molecular que faz o diagnóstico da Covid-19 a partir da investigação da presença de material genético do vírus.

 

A indicação é para que ele seja realizado no limite de até 10 dias após o início dos sintomas. Em assintomáticos, é indicado que seja feito após o sexto ou o oitavo dia de contato com o vírus.

 

O teste é feito por meio da análise de secreção respiratória colhida por meio do swab de nasofaringe. O resultado fica pronto em três dias úteis.

 

Coronavírus Anticorpos Totais: identifica a resposta imunológica dos anticorpos IgG, IgM e IgA em quem já foi exposto ao vírus.

 

Deve ser coletado 14 dias após os sintomas ou 21 dias após o contato.

 

O exame é feito por meio de amostra de sangue, e o resultado sai em três dias úteis.

 

Teste rápido IgG e IgM: identifica os anticorpos IgG e IgM como sinais de resposta imunológica em pessoas que foram expostas ao vírus.

 

Deve ser realizado na fase tardia, após 14 dias de sintomas, com resultado RT-PCR negativo, e após 28 dias para saber se já houve contato.

 

O teste é feito por amostra de sangue, e o resultado sai no mesmo dia da coleta.

 

Teste sorológico IgM e IgG: atua identificando a presença de anticorpos IgM e IgG em pessoas que foram expostas ao vírus.

 

O teste deve ser feito 10 dias após o início dos sintomas.

 

O exame é realizado a partir da coleta de sangue do paciente, e o resultado sai em três dias úteis.

 

Teste sorológico IgG: detecta os anticorpos IgG a partir da resposta imunológica em pessoas que querem saber se já contraíram a Covid-19.

 

Dever realizado entre 14 e 20 dias após o início dos sintomas ou 28 dias após a suspeita de contato.

 

O exame é feito a partir da coleta de sangue e fica pronto em três dias úteis.

 

Coronavírus antígeno: identifica a resposta imunológica do corpo a partir dos anticorpos IgG para quem deseja saber se foi infectado pelo vírus.

 

O teste deve ser feito do primeiro ao quinto dia de sintomas ou após o sexto ou o oitavo dia de contato, em assintomáticos.

 

É feito por meio de coleta de material respiratório com swab de nasofaringe.

 

Para saber mais informações sobre os exames de Covid-19 e realizar agendamentos, entre em contato com o Laboratório Júlio Vargas!

 

Hipertensão: como diagnosticar e tratar  

 

A hipertensão, ou pressão alta, é um problema que atinge mais de 38 milhões de brasileiros, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS, 2019).

Ela se refere ao aumento constante da pressão do sangue nas artérias e está associada a doenças como diabetes, obesidade, doenças renais, entre outras.

 

Como é medida a pressão arterial?

O coração bombeia o sangue para as diversas partes do nosso corpo. Assim, é feita uma pressão contra as paredes das artérias. A resistência à passagem do sangue pelos vasos é o que serve como base para aferir a pressão arterial.

O parâmetro para a medição é o milímetro de mercúrio (mmHg). O ideal é que a pressão máxima, ou sistólica, não ultrapasse 12mmHg. A pressão mínima, ou diastólica, não deve ser menor do que 8mmHg. Assim, a pressão ideal é a conhecida 12 por 8.

 

O diagnóstico da hipertensão

A aferição da pressão é feita por meio de um aparelho chamado esfigmomanômetro.

A hipertensão geralmente não apresenta muitos sinais, por isso é fundamental que a pressão seja verificada pelo menos uma vez ao ano.

Para quem possui histórico de familiares hipertensos, a recomendação é que a medição ocorra em intervalos de seis meses.

Assim, é muito importante que sejam realizados os exames periódicos para fazer o controle da situação arterial.

 

Os tratamentos para a hipertensão

A hipertensão não tem cura, porém ela pode ser controlada de forma a não atrapalhar o nosso bem-estar.

O tratamento varia de acordo com o grau de hipertensão de cada paciente. Em alguns casos, um simples balanceamento na dieta e a prática de atividades físicas são suficientes.

Em situações mais agudas, a hipertensão exige o acompanhamento com medicações específicas.

 

Para você ficar em dia com a sua saúde, não deixe de realizar periodicamente o exame de pressão. Qualquer dúvida, você pode contar com o Laboratório Júlio Vargas. Ligue e agende o seu horário!

Você sabe como a Síndrome de Down é diagnosticada?

Na escola, com a aula de biologia, aprendemos que a maioria das pessoas possui 46 cromossomos. Os portadores da Síndrome de Down, entretanto, possuem 47 – com um extra chamado de trissoma do cromossomo 21 ou, carinhosamente, de cromossomo do amor. Mas qual é a razão desse elemento a mais?

Ele ocorre devido a um acidente genético que acontece no momento da divisão celular do embrião. A síndrome foi descrita pela primeira vez em 1866, pelo médico e pediatra John Langdon Down. Hoje, vamos falar sobre como é o seu diagnóstico. Boa leitura!

Diagnóstico da Síndrome de Down

No pré-natal, durante a gestação, diversos exames são realizados. Através deles, com o bebê na barriga, é possível descobrir se ele é ou não portador da Síndrome de Down. O diagnóstico precoce é importante para a preparação da família para receber o pequeno da melhor forma possível.

Depois do nascimento, também são realizadas análises clínicas. Os testes de rotina e exames genéticos que podem identificar a alteração nos cromossomos são:

Ultrassom morfológica

A ultrassom morfológica já é bem conhecida pelas mamães. Ela é realizada para detectar possíveis má formações durante os três trimestres da gestação e para avaliar o desenvolvimento do bebê.

Além disso, é importante para confirmar a idade gestacional e monitorar seu tamanho e os batimentos cardíacos.

NIPT

O teste pré-natal não invasivo avalia as características genéticas do bebê. Feito a partir de uma amostra de sangue, ajuda a avaliação do risco de alterações cromossômicas. Nele, outras síndromes podem ser descobertas.

Os exemplos são: síndrome de Edwards, síndrome de Patau, de Turner e de Klinefelter.

Cariótipo com banda G

As síndromes acima, incluindo a de Down, podem ser diagnosticadas, ainda, pelo cariótipo com banda G. O exame genético confere os cromossomos do feto através de uma fotografia e demanda uma amostra de sangue que será investigada.

PGT-A

Com uma amostra de DNA das células embrionárias, a técnica PGT-A amplifica o genoma e estuda seu sequenciamento. Como resultado, é possível contar os pares de cromossomos. Caso existam mais de 23 pares, significa que o bebê é portador da Síndrome de Down.

 

Para saber mais sobre exames, receber informações de saúde e qualidade de vida e agendar seus atendimentos com rapidez e qualidade, acompanhe nossas redes sociais. Conte com o Laboratório Júlio Vargas! Estamos com você em todos os momentos.

Principais infecções virais detectadas por exame de sangue

 

Esse é o tipo de análise mais requisitado, porque é através do exame de sangue que são detectadas diversas doenças, inclusive as principais infecções virais que podem nos acometer. Sendo um exame simples e rápido, é a melhor forma de avaliação que temos para descobrir quais vírus circulam no organismo para, assim, poder eliminá-los.

O sangue carrega uma “memória imunológica”, permitindo que se saiba, através de hemograma, com quais vírus o nosso organismo já teve contato. Qualquer exame que seja feito através da análise de sangue, seja ele venoso, seja arterial, é denominado “exame de sangue”.

Os principais vírus detectados pelo exame de sangue são:

Covid-19

Os anticorpos da doença podem ser indicados através de análise sanguínea, podendo indicar se a pessoa em questão já teve contato com o coronavírus anteriormente.

HIV

O vírus da imunodeficiência humana, causador da Aids, é diagnosticado unicamente pela análise sanguínea. Através de exames regulares, caso tenha sido exposto ao risco, o exame de sangue poderá detectar o vírus do HIV no início e permitir o tratamento adequado e menos invasivo.

Hepatites

O exame de sangue detecta os tipos de hepatite: A, B e C. Assim, é possível ter o diagnóstico do tipo de doença e em qual grau ela está, permitindo o tratamento adequado para cada tipo. A análise sanguínea também indica se a doença é aguda ou crônica.

Doenças exantemáticas

Carregam essa denominação doenças como rubéola, varicela, sarampo e escarlatina. Exames de sangue são capazes de detectar esses tipos de doenças, sendo importante a realização do hemograma principalmente em gestantes, já que essas enfermidades podem influenciar uma possível má-formação do feto.

 

Quer ficar livre de qualquer dúvida quanto a possíveis infecções virais? Ligue e agende o seu exame de sangue!