Doar vidas está no seu sangue: os requisitos e a importância do gesto

Doar vidas está no seu sangue: os requisitos e a importância do gesto

A doação de sangue é uma importante forma de salvar vidas. O significado desse gesto solidário é enorme, e, para que seja simples contribuir, o procedimento é feito de um jeito fácil, rápido e seguro. Para realizá-lo, a pessoa, voluntariamente, vai a um centro especializado e disponibiliza seu sangue para ser usado em transfusões ou outras situações clínicas. A cada doação, são coletados, no máximo, 450ml de sangue, o que pode salvar a vida de até quatro pessoas.

E você sabia? Em um só dia, o nosso corpo já repõe a quantidade doada. Mas, para doar, é preciso seguir os requisitos regulamentados pelo Ministério da Saúde e pela Associação Americana de Bancos de Sangue. Vamos conhecê-los?

Requisitos para doação de sangue

Para ser um doador, é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade. Ainda assim, pessoas acima dos 60 só podem realizar a doação caso já tenham feito antes de completar tal idade. Os menores de 18 anos, com 16 ou 17, por exemplo, precisam estar acompanhados pelos responsáveis ou contar com um formulário de autorização devidamente assinado por eles. Confira as demais exigências dos órgãos reguladores:

  • Pesar, no mínimo, 50kg;
  • Ter dormido e repousado, no mínimo, seis horas nas últimas 24h;
  • Evitar jejum e alimentos gordurosos nas horas anteriores à doação. Após refeições fartas no almoço ou no jantar, esperar pelo menos três horas para doar;
  • Apresentar documento de identidade original com foto atual, emitido por órgão oficial. As opções são RG, Carteira de Habilitação, Carteira de Trabalho ou Previdência Social;
  • Não ter ingerido bebida alcoólica nas 12 horas anteriores à doação;
  • Não ter fumado tabaco, no mínimo, duas horas antes da doação;
  • Não ter praticado exercícios físicos exagerados nas últimas 24 horas.

Como é feito e qual é a importância?

O processo de doação de sangue dura entre 40 minutos e uma hora. No hemocentro escolhido, são feitos o cadastro, a aferição de sinais vitais, o teste de anemia, uma triagem clínica e a coleta do sangue. Você pode, também, agendar previamente o horário para doar. É possível fazer contato por telefone, e-mail e, em algumas instituições, pelas redes sociais. A lista de todos os hemocentros do Brasil fica disponível no site do Ministério da Saúde.

Conforme foi dito, cada doação de sangue é capaz de salvar a vida de até quatro pessoas. Com a pandemia do novo coronavírus e a baixa dos estoques nos bancos de sangue pelo país, a importância desse gesto dobrou. Mesmo que não conheça um paciente com necessidade de transfusão, escolher fazer a diferença para toda uma família não muda só quem recebe, ajuda, de forma semelhante, quem doa.

Que tal fazer parte dessa corrente do bem? Acompanhe o Laboratório Júlio Vargas nas redes sociais e fique sempre por dentro dos assuntos relacionados à nossa saúde. Seguimos juntos!

Diabetes: um panorama sobre a doença

Você sabia que o número de diabéticos no mundo é de 250 milhões? No Brasil, esse indicador chega a 13 milhões. Pensando em conscientizar as pessoas sobre a doença e promover a prevenção, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Federação Internacional de Diabetes (IDF) instituíram 14 de novembro como o Dia Mundial do Diabetes. Fizemos este post como parte do movimento.
O que é o diabetes?
De forma simples, podemos definir o diabetes como uma doença causada pela produção insuficiente ou pela má absorção de insulina no organismo. Mas o que isso significa? A insulina é um hormônio responsável por quebrar as moléculas de glicose (açúcar), o que gera energia para manutenção das células. Sem ela, a função de diversos órgãos é prejudicada.
Existem dois tipos de diabetes. O primeiro é caracterizado quando o sistema imunológico ataca e destrói as células que produzem insulina. Já o segundo, que é mais comum, acontece quando o organismo não produz insulina suficiente ou as células não reagem ao hormônio.
Ainda há a diabetes gestacional, típica do período, e uma situação classificada como pré-diabetes. Nesta última, as pessoas acometidas têm níveis de açúcar no sangue acima do normal, mas menores que os do padrão do diabetes.
Quais são os sintomas?
Entre os sintomas comuns relacionados ao diabetes, podemos destacar:
• Fome constante (insaciedade);
• Sede frequente;
• Vontade de urinar muitas vezes ao dia;
• Perda de peso;
• Fraqueza;
• Fadiga;
• Alterações de humor;
• Náusea e vômito.
No tipo 2, ainda existem outros sintomas que se somam à condição de fome e sede frequente:
• Infecções (bexiga, rins e pele);
• Feridas que demoram para cicatrizar;
• Visão embaçada;
• Formigamento nos pés;
• Furúnculos.
Como é feito o tratamento?
O diagnóstico acontece com um teste muito simples. Basta uma gota de sangue e três minutos de espera. Outros exames complementares serão essenciais para garantir precisão ao resultado. Após a confirmação, será necessário controlar o nível de glicose no organismo. Monitores de glicemia e bombas de insulina ajudarão nesse sentido.
O tratamento requer o uso diário de insulina, podendo também exigir o uso de outros medicamentos. Será preciso fazer acompanhamento médico regular e ter uma dieta balanceada. O diabetes não tem cura, mas pode ser totalmente controlado.
Como prevenir?
Práticas saudáveis previnem não só o diabetes, mas uma infinidade de outras doenças. As pessoas que receberem um sinal de alerta (pré-diabetes), principalmente, devem ter atenção redobrada e cumprir todas as recomendações médicas, a fim de impedir a evolução do quadro.
São recomendados: dieta com redução de calorias, gorduras saturadas e carboidratos, principalmente os simples, e a prática de atividades físicas.
Agora chegou a sua fez de contribuir para o Dia Mundial do Diabetes. Informe-se e cuide da sua saúde! Aproveite para fazer os exames no Laboratório Júlio Vargas.

A prevenção é para todos: Novembro Azul e o câncer de próstata

Você sabia que o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens brasileiros? Em 2020, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), foram 65.840 novos casos. Nesse cenário, a prevenção e o diagnóstico precoce tornam-se, cada vez mais, essenciais. Por isso, a campanha do Novembro Azul chega para trazer mais informações sobre os exames preventivos e sobre a próstata. Como forma de apoiar o movimento, também listamos, ao longo do texto, dados importantes sobre a doença. Confira:

O que é a próstata?

A próstata é uma glândula que só o homem possui. Localizada na parte baixa do abdômen, tem a forma de uma pequena maçã. Além disso, envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada e produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozoides. Em fase inicial, um tumor na próstata não apresenta sinais. Consequentemente, após os 40 anos, é indicado que todo homem faça os exames preventivos com regularidade.

Por falar em anos, quando o assunto é fator de risco, a idade aparece na lista. Depois dos 50 anos, a incidência da doença entre a população masculina é maior. Com ela estão fatores genéticos, excesso de gordura corporal e exposições frequentes a produtos químicos, como aminas aromáticas, itens relacionados ao petróleo, fuligem, motor de escape de veículos e dioxinas.

Como é o diagnóstico?

Segundo o Inca, o câncer de próstata pode ser identificado com a combinação de dois exames. O primeiro é a dosagem de PSA, feita pela coleta de sangue para avaliar a quantidade do Antígeno Prostático Específico no organismo. O segundo é o toque retal. Nele, o médico avalia, com o toque, se há nódulos e caroços ou tecidos endurecidos na glândula. Ambos os testes são rápidos e simples, sem necessária resistência para realizá-los.

Caso exista algum sinal da doença, a biópsia é o único procedimento capaz de confirmar o câncer. A retirada de amostras de tecido da glândula para análise é feita com auxílio da ultrassonografia, e outros exames podem ser solicitados. Um exemplo é a ressonância magnética. Em tempo, é o diagnóstico precoce que possibilita os melhores resultados no tratamento.

E a prevenção?

Somados aos exames preventivos, os hábitos saudáveis são muito recomendados para prevenir não só o câncer de próstata, mas outras doenças. Seguindo o Novembro Azul, falaremos sobre eles na nossa próxima conversa. Enquanto isso, acompanhe mais dicas sobre saúde em nossas redes sociais. Clique aqui para seguir o Laboratório Júlio Vargas!

Outubro Rosa: é hora de falarmos sobre prevenção

Iniciamos o mês de combate ao câncer de mama conversando sobre a história do Outubro Rosa. Agora, é hora de colocarmos as principais maneiras de prevenir a doença em destaque. Segundo o INCA, Instituto Nacional do Câncer, existem dois conjuntos de ações: o de prevenção primária e o de prevenção secundária. No grupo um, estão concentradas formas de impedir que o câncer se desenvolva. No dois, o objetivo é detectar e tratar sinais ainda assintomáticos para evitar o avanço de um possível tumor.

Ao longo do texto, listamos métodos essenciais em ambos. Para isso, passamos por hábitos saudáveis e, depois, pelos principais exames preventivos. Vamos lá?

1.      Cuide da alimentação

A regra é sempre válida quando o assunto é saúde. Ter uma alimentação rica em nutrientes é essencial para prevenir doenças, incluindo o câncer de mama. Para ser considerada saudável, é importante que inclua alimentos de origem vegetal – como frutas, legumes, verduras, cereais integrais, feijões e demais leguminosas. Caso sinta dificuldade de inserir tais itens na rotina, é válido procurar o auxílio de um nutricionista.

2.      Deixe o cigarro

Ao fumar, você libera no ambiente aproximadamente cinco mil substâncias tóxicas e cancerígenas. No ar, elas são inaladas por fumantes e não fumantes. O cigarro contribui, principalmente, para o desenvolvimento de cânceres no pulmão, na cavidade oral, na laringe e no esôfago. Mesmo assim, a mama e outras partes do corpo também ficam vulneráveis e podem ser prejudicadas pelo hábito.

3.      Pratique atividade física

A união de uma alimentação equilibrada com a prática frequente de exercícios físicos é o que ajuda a manter o peso corporal ideal, evitando o desenvolvimento de tumores. E você não precisa de muito tempo livre para isso: uma boa caminhada ao ar livre ou, até mesmo, em casa, cuidando do espaço, já ajuda o processo. Para não desistir no meio da jornada, busque uma modalidade que dê prazer e faça você sentir-se melhor.

4.      Faça o autoexame e a mamografia

Agora, entramos no grupo de prevenção secundária – o que busca sinais da doença, mesmo que não existam sintomas. O autoexame é feito com o toque na mama e pode ser realizado em casa, com observações de tamanho pelo espelho, sentindo a textura e procurando nódulos, por exemplo. A mamografia, por sua vez, é feita em clínica e é recomendada para todas as mulheres entre 50 e 69 anos. É interessante que a periodicidade do exame seja definida junto ao médico, avaliando seu histórico familiar e seu estilo de vida.

Por fim, mas não menos importante: conte sempre com profissionais para tirar suas dúvidas e manter a saúde em dia. Quer acompanhar mais dicas para o seu cotidiano? Siga nossas redes sociais!

 

Você conhece a história do Outubro Rosa?

O mês da prevenção e do combate do câncer de mama começou! O Outubro Rosa é internacional, mas você sabe como ele teve início? Nos Estados Unidos, diversas cidades contavam com ações isoladas sobre a importância da mamografia em outubro. A cor e o símbolo da campanha foram escolhidos quando a Fundação Susan G. Komen for the Cure distribuiu laços rosas aos participantes da primeira Corrida pela Cura, em 1990.

O evento aconteceu em Nova York e, até os dias atuais, é tradição no grande centro metropolitano. Em 1997, o Congresso Americano tornou o movimento oficial em todo o país. Depois, a iniciativa como conhecemos hoje ganhou o mundo e é, anualmente, reforçada.

Outubro Rosa no Brasil

As campanhas de conscientização sobre o câncer de mama chegaram ao Brasil apenas em 2002. A iluminação em rosa do monumento chamado de Obelisco do Ibirapuera, na cidade de São Paulo, ficou marcada como a primeira ação em prol da luta das mulheres contra a doença. Ao longo dos anos e por todas as partes do país, diversos locais simbólicos, como o Cristo Redentor no Rio de Janeiro, ganharam a cor para mostrar apoio à causa.

Com o intenso avanço da internet e das redes sociais, o Outubro Rosa ganha destaque no universo virtual. Atividades on-line e compartilhamentos de informações sobre a prevenção ganham os perfis e são, muitas vezes, promovidos ou abraçados por grandes marcas. O laço rosa continua sendo um importante emblema: espaços de saúde e empresas de forma geral usam o item para reforçar a campanha.

O que torna o movimento tão importante?

O câncer de mama, segundo o Instituto Nacional do Câncer – Inca, é um dos tumores malignos mais comuns entre a população brasileira, acometendo, principalmente, mulheres acima dos 40 anos. Em 2020, até setembro, foram 66.280 novos casos registrados. Nesse cenário, o diagnóstico precoce é fundamental por aumentar a possibilidade de tratamentos menos agressivos e com maiores chances de sucesso.

Como resultado, informar as pessoas sobre formas de prevenção e, ainda, sobre o valor dos exames de rotina, como o autoexame e a mamografia, é essencial. Essa é a missão do Laboratório Júlio Vargas durante o Outubro Rosa! Na nossa próxima conversa, você vai conhecer as principais maneiras de prevenir o câncer de mama. Acompanhe o blog e nossas redes sociais!

 

Setembro Amarelo: mitos e verdades sobre suicídio

Em setembro, estamos focados na campanha de conscientização e combate ao suicídio. Nós já falamos aqui no blog do Laboratório São José sobre a prevenção e alguns sinais de alerta. Agora, vamos conversar sobre alguns mitos e verdades sobre o suicídio. Confira!

Mitos

  • A pessoa que tem a intenção de tirar a própria vida não avisa;
  • O suicídio não pode ser prevenido;
  • Pessoas que falam sobre suicídio só querem chamar a atenção;
  • A pessoa que supera uma crise de suicídio ou sobrevive a uma tentativa está fora de perigo;
  • Falar sobre suicídio pode estimular sua realização;
  • O suicídio é hereditário.

Verdades

  • Sabe-se que outros fatores, como exposição a agrotóxico, perda de emprego, crises políticas e econômicas, discriminação por orientação sexual e identidade de gênero, agressões psicológicas e/ou físicas, sofrimento no trabalho, diminuição ou ausência de autocuidado, ainda que não possam ser considerados como determinantes para o suicídio, podem vulnerabilizar e devem ser levados em consideração se o indivíduo apresenta outros sinais de alerta para o suicídio.
  • Em geral, os suicídios são premeditados, e as pessoas dão sinais de suas intenções.
  • Reconhecer os sinais de alerta e oferecer apoio ajudam a prevenir o suicídio.
  • A expressão do desejo suicida nunca deve ser interpretada como simples ameaça ou chantagem emocional.
  • Perguntar sobre a intenção de suicídio não aumenta, nas pessoas, o desejo de cometer o suicídio.
  • Nem todos os suicídios estão associados a outros casos de suicídio na família.

Conheço alguém com os sinais: como devo lidar?

Se conhece alguém que esteja demonstrando pensamentos suicidas, procure um momento apropriado e um lugar calmo para falar sobre o assunto com essa pessoa. Mostre que você está pronto para ouvir e ofereça o seu apoio.

Não se esqueça de que ajuda profissional, como um médico, profissional de saúde mental, conselheiro ou assistente social, é essencial! Se possível, ofereça-se para acompanhar em uma consulta.

Caso essa pessoa mostre que está perigo imediato, não a deixe sozinha! Ligue para um serviço de emergência ou um serviço telefônico de atendimentos a crises, como o Centro de Valorização da Vida – CVV, pelo telefone 141 (ligação paga), ou acesse o site para chat, Skype, e-mail e também consulte algum familiar.

Se você está preocupado com alguém que vive com você, assegure-se de que ela não tenha acesso a meios para provocar a própria morte em casa e fique em contato para acompanhar como a pessoa está se comportando e o que ela está fazendo.

O que não devo fazer diante de uma pessoa sob risco de suicídio?

Não condene. Ao dizer frases como: “Isso é covardia”, “É loucura”, “É fraqueza”, você está julgando o sentimento da pessoa. Banalizar, opinar ou dar sermão, dizendo coisas como: “Já passei por coisas bem piores e não me matei”, “Você quer chamar a atenção”, “Tantas pessoas com problemas mais sérios que o seu, siga em frente”, também não ajuda em nada.

E, ao contrário do que muitos pensam, frases de incentivo – “Levanta a cabeça, deixa disso”, “Pense positivo”, “A vida é boa” – também podem atrapalhar. Demonstre apenas o seu apoio e que você está sempre disposto a ajudar.

Reforçamos que o Laboratório São José apoia a campanha Setembro Amarelo. Conte conosco e acompanhe nossas redes sociais!

Campanha Setembro Amarelo: qual é a sua contribuição?

Você, com certeza, já ouviu falar da campanha Setembro Amarelo. Criada em 2014, ela é uma iniciativa da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) junto ao Conselho Federal de Medicina (CFM). O objetivo é muito nobre: prevenir o suicídio no país. A escolha do mês foi puramente por conta do Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio (10 de setembro).

Todos os anos, ocorrem 12 mil casos no Brasil e um milhão de ocorrências no mundo. Destes gigantescos números, quase a totalidade está relacionada a transtornos mentais. Depressão, abuso de substâncias e transtorno bipolar compõem o quadro.

Cuide de você

Então, que tal vivenciar, realmente, os ideais da campanha para promover a vida com qualidade, a sua e a do próximo. Para começar, é importante saber que nenhum problema é mais que você. Por mais que, em determinados momentos, a situação pareça um espaço sem saída, sempre há uma fresta com uma passagem secreta. Basta mudar a perspectiva.

Psicólogos são os profissionais qualificados para ajudar nos momentos mais difíceis. Terapia funciona. Com o tempo, a prática ajuda a cicatrizar feridas e fazer com que o mundo se torne um lugar habitável, com prazeres a serem descobertos.

De forma complementar, recomendamos prática de exercícios físicos, comparecimento a consultas de rotina, realização de exames check-up, alimentação saudável, atividades de entretenimento, como leituras, jogos e filmes, além do contato social, por meio conversas com familiares e amigos.

Cuide do próximo

Quando você está legal, experimentando uma gostosa sensação de bem-estar, é hora de ajudar as pessoas que lhe cercam. Muita gente só quer falar e ser escutado. O corpo dá sinais dessa necessidade. Portanto, olhe ao seu redor e veja quem precisa do seu apoio.

De forma discreta, converse, ouça e não faça julgamentos. Ofereça o ombro amigo para mostrar a quem sofre que ele(a) não está sozinho(a). Nesse momento, indicar um bom psicólogo e as ações que deram certo para você são excelentes opções.

Topa vivenciar a campanha Setembro Amarelo de verdade e ser um promotor da saúde? O Laboratório Júlio Vargas apoia essa causa. Conheça mais sobre nós!

 

Agosto Dourado: 5 dicas de amamentação para as mamãe

A amamentação é um momento muito esperado pelas mães. Essa é a hora de criar um vínculo especial com o bebê, e todas as mulheres desejam que o processo seja bem-sucedido. Apesar de ser um gesto natural, amamentar pode ser desafiador. Por isso, separamos algumas dicas de ouro para que a adaptação seja bem tranquila. Confira!

Beba muita água

A água é a energia de que o seu corpo precisa e ajuda na produção do leite. Já deixe o copo do seu lado sempre que for amamentar.

Encontre uma posição confortável para você e o bebê

Como você ficará um bom tempo segurando o neném, encontre uma posição com suporte. Use travesseiros ou almofadas para apoiar as costas e os braços. Relaxar também é essencial, afinal, quando você demonstra tensão ou nervosismo, a criança também sente. Respire fundo, visualize algo que deixe você melhor e que a faça sentir essa conexão com o bebê.

Cuide da sua pele

Sua pele pode ficar rachada, irritada e seca quando amamenta regularmente. É bem comum, não se assuste, mas você pode se prevenir lavando os seios com um pano macio, após a mamada, e deixá-los arejados durante algum tempo, sem contato com roupa. Além disso, você pode solicitar ao seu médico produtos específicos que auxiliam na cicatrização e na hidratação dos mamilos.

Seu leite é suficiente, acredite!

No início da amamentação, pode parecer que você esteja produzindo pouco leite. Isso é normal! Quanto mais o seu bebê mama, mais ele estimula a liberação dos hormônios prolactina e ocitocina, responsáveis pela produção de leite materno.

Se precisar, solicite ajuda

Toda ajuda nesse momento é bem-vinda! Leia bastante, conte com o auxílio do hospital nos primeiros momentos, pergunte sempre que tiver dúvidas e, caso você observe que o processo está doloroso, procure o seu médico de confiança. Essa é a hora de aproveitar o seu bebê e dar a ele todo o amor e o carinho que ele merece!

Siga o Laboratório Júlio Vargas nas redes sociais e continue por dentro de todas as novidades!

 

 

 

Agosto Dourado: conheça os principais benefícios da amamentação

Neste mês, comemoramos o Agosto Dourado. Essa é uma data dedicada à conscientização sobre a necessidade da amamentação exclusiva e da importância dela para o desenvolvimento dos bebês. A cor dourada foi escolhida justamente por se tratar de um alimento “de ouro” e rico para as crianças.

As mamães também ganham ao amamentarem, afinal, esse é um momento muito especial, que aumenta o laço afetivo. Inicialmente, pode ser um processo desafiador, mas, sem dúvida, muito natural. Outro benefício do leite materno é que ele não requer preparação, é de graça, prático, não desperdiça recursos naturais, está sempre pronto para ser transportado e ingerido, facilitando a vida das mães. Continue com a gente neste texto e confira mais vantagens desse gesto tão lindo!

Para o bebê

Alimento rico em nutrientes

Por ser mais completo e equilibrado, o leite materno atende a todas as necessidades de nutrientes e sais minerais até os 6 meses de idade. Quando o ômega 3 está presente, o que pode variar de acordo com a alimentação da mãe, ajuda também no desenvolvimento e no crescimento de prematuros.

 

Prevenção de doenças

Além de ser de fácil digestão, evitando as temidas cólicas, a amamentação auxilia na formação do sistema imunológico do bebê, prevenindo algumas doenças, como alergias e intolerância aos alimentos, obesidade infantil, asma e artrite reumatoide. As crianças também recebem uma proteína pelo leite materno, que combate vírus e bactérias do trato gastrointestinal.

 

Aumento do vínculo

Essa criação de um laço entre a mãe e o bebê colabora para que a criança tenha bons relacionamentos com as pessoas.

 

Fortalecimento da arcada dentária

O processo de sucção na amamentação pode estimular, fortalecer e auxiliar no desenvolvimento da arcada dentária do bebê.

 

Para as mamães

Hormônio do amor

A amamentação estimula a liberação de ocitocina, o “hormônio do amor”, que também ajuda o útero a voltar a seu tamanho antes da gravidez.

Acelera a perda de peso

O seu corpo vai precisar da gordura conforme seu bebê cresce e demanda mais leite, ajudando no aceleramento da perda de peso. Ao amamentar, a mulher perde cerca de 800 calorias por dia.

 

Reduz a incidência de câncer e protege contra doenças cardíacas e diabetes

Estudos comprovam que a amamentação pode diminuir o risco de desenvolvimento de câncer de mama, câncer de ovário e da síndrome metabólica (doenças cardíacas e diabetes), inclusive para as mamães que tiveram diabetes gestacional.

 

Gostou do nosso conteúdo? Fique ligado, pois falaremos mais sobre a amamentação, durante este mês, aqui no blog. Siga também o Laboratório Júlio Vargas no Instagram e no Facebook.

Diabetes: saiba quais são os principais cuidados durante a pandemia

Você sabia que os diabéticos estão incluídos no grupo de risco do novo coronavírus? Isso não quer dizer que pessoas com essa comorbidade possuem maior risco de contrair a doença, mas, ao serem infectadas pela Covid-19, as chances de complicações aumentam. Por isso, os cuidados para o controle da diabetes devem ser reforçados. Veja só!

Sobre a diabetes

A diabetes mellitus é uma doença crônica representada pela elevação de glicose no sangue. Segundo uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), a enfermidade acomete mais de 13 milhões de pessoas no Brasil.

Sua causa está relacionada a uma falha na produção de insulina ou no bloqueio de sua ação pelo organismo, o que diferencia as diabetes do tipo 1 e 2. Nos dois casos, a influência genética pode ser observada, porém levar uma vida mais saudável ajuda na prevenção.

Diabetes e Covid-19

Os órgãos de saúde pública mostram que a ocorrência de complicações da Covid-19 é maior em pessoas que possuem doenças preexistentes, entre elas a diabetes. Quando não controlada, o sistema imunológico fica comprometido, dificultando o combate à infecção.

Cuidados redobrados durante a pandemia

As principais orientações para os diabéticos são:

Manter o controle da glicemia e da glicose

Faça o monitoramento, através de tiras de reagentes, glicosímetros e sensores de glicose intersticial.

Adote uma alimentação saudável

Além de proporcionar um bom funcionamento do organismo, uma dieta balanceada ajuda a controlar a diabetes e aumenta a nossa imunidade.

Pratique atividades físicas

Os exercícios ajudam no controle metabólico da diabetes, aumentando a captação de glicose e reduzindo a resistência à insulina. Outras vantagens: melhor funcionamento do hormônio, proporcionando o controle de peso e protegendo o coração, fortalecimento do sistema imunológico e benefícios para a mente.

Não use o álcool em gel para higienização dos dedos antes de realizar a punção

O álcool em gel demora a secar e forma uma película com uma substância ativa que poderá impactar o resultado. A orientação é lavar as mãos com água e sabão, preferencialmente, ou utilizar álcool líquido 70%, desde que seque bem antes de iniciar o teste.

Cuide da sua saúde mental

Quando estamos ansiosos ou estressados, liberamos hormônios que podem impactar a taxa de glicemia. Portanto, faça atividades que ajudam a melhorar o seu estado emocional, converse com amigos e familiares e, se precisar, procure ajuda psicológica de um profissional.

 

Gostou das dicas? Consulte também nossa publicação com informações sobre as formas de prevenção do novo coronavírus e continue acompanhando os conteúdos do Laboratório Júlio Vargas nas redes socias.